Verde Urbano

0
132

Adoramos viajar e encontrar aquela cidadezinha cheia de árvores e parques, sentimos um ar mais limpo, mais presença de pássaros e um ambiente mais fresco. Mas por que não podemos ter essa mesma sensação aqui em nosso município?

Investir em área verde vai muito além da beleza. Parques e árvores são também investimento em saúde. Segundo o professor Paulo Saldiva da USP, viver a menos de 500 metros de um parque reduz em quase 30% o risco de derrame ou enfarte.

Traz também uma considerável melhoria e estabilidade microclimática devido a diversos aspectos, como a redução do calor e da insolação direta, a diminuição da velocidade dos ventos e a ampliação da umidade do ar.

Goiania é a cidade mais arborizada do país, segundo o IBGE a quantidade de árvores nas calçadas ou canteiros da cidade é de 89,5%, São Paulo é de 75,4%.

O planejamento do verde urbano se divide em duas grandes áreas:  

  1. Arborização de fato: plantar árvores de forma planejada, considerando a espécie adequada para a região (preferência para as nativas), considerar a infraestrutura de canos e cabos de energia, qual árvore não irá danificar as calçadas, qual não exigirá tanta poda e limpeza; 
  2. Gestão de parques: deve funcionar muito integrada com outras secretarias e uma importante discussão nos planos diretores para criação e implementação de áreas de parques e áreas de preservação

A agenda de parques, áreas verdes e arborização das cidades deve estar entre as prioridades das prefeituras, pois é também uma política pública de saúde, pelos motivos já mencionados nesse artigo, e de infraestrutura, por ser essencial no escoamento da água da chuva. Geralmente não há tanto recurso para essa área, mas os municípios podem contar com a lei No 13.731 de 2018 que prevê que 10% do valor das multas ambientais seja destinado à arborização urbana.

Convidar as universidades e faculdades locais para desenvolver estudos de novas áreas verdes na cidade considerando a complexidade que o tema carrega.

E envolver o setor imobiliário no processo de “verdeamento” das cidades, pois também será agraciado com um município que investe em áreas verdes, com a valorização dos imóveis pela proximidade aos parques e áreas de lazer.


Carol Curimbaba é administradora pela FGV, MBA na FIA e Babson e Empreendedora social.
Seu contato por e-mail é contato@carolcurimbaba.com.br e pelas mídias sociais @carolcurimbaba