Em SP, PM já atua para fechar comércio e abordar cidadãos sobre quarentena

0
250
Oferecimento: Academia iFitiness

Ação tem parceria com a Vigilância Sanitária e deve ser ampliada para todo o Estado

SÃO PAULO – A Polícia Militar começou a atuar no fechamento de comércios de São Paulo que insistem em manter as portas abertas, contrariando as normas de quarentena, em uma ação em parceria com a Vigilância Sanitária do Estado. Os PMs também estão orientados a circular pelos bairros da cidade pedindo à população para que fiquem em casa.

A medida ocorre enquanto os índices de isolamento social apontando que metade da população do Estado de São Paulo ainda está circulando, e quando já há hospitais em que 100% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs) estão ocupados com pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Na terça-feira, primeiro dia de operação, os PMs estiveram em 14 estabelecimentos que haviam sido alvo de denúncias ao telefone 190 em Santana, zona norte, por desrespeitarem a quarentena, foram visitados. Quatro estavam abertos e foram fechados. Na Lapa, zona oeste, 15 locais denunciados foram vistoriados. Três foram fechados. Nesta quarta, PMs e agentes da Vigilância Sanitária estiveram também na região do Largo Treze, em Santo Amaro, na zona sul, e no Tatuapé, na zona leste.

“O trabalho com a Vigilância Sanitária e descrito pela PM como um trabalho preventivo, enquanto há outras ações também em curso.”Esse trabalho com a Vigilância Sanitária aposta em um trabalho mais preventivo. Para que que as pessoas percebam que estão sendo fiscalizadas, estão sujeitas a uma multa, eventualmente até a interdição do estabelecimento e se conscientizem e passem a adotar as medidas que estão previstas no decreto”.

Já outras ações buscam patrulhar locais que são conhecidos pela aglomeração de pessoas, como praças, além do patrulhamento das ruas. “Estamos percorrendo os bairros, especialmente os bairros residenciais, com viaturas anunciados nos auto-falantes algumas medidas de segurança, pedindo para as pessoas ficarem em casa, orientando os pessoas no dia a dia.”O entendimento, segundo o coronel, é que o trabalho no momento é “humanitário”, uma vez que os chamados para socorro a roubos e outros crimes, por causa da pandemia, estão em queda — as estatísticas devem ser publicadas no dia 25.

“Não é a ação de polícia propriamente dita. Estamos fazendo vários tipo de campanhas de orientação”.O trabalho de abordagem nos bairros, entretanto, pode precisar de ajustes. Emelly Thays Gimenez, 22 anos, foi abordada nesta quarta por dois policiais quando caminhava em direção ao trabalho em Ferraz de Vasconcelos, Grande São Paulo.

Há uma semana, ela foi contratada para ajudar na parte administrativa de uma clínica de vacinação.”Eles estavam em uma viatura, encostaram o carro ao meu lado e me perguntaram onde estavam indo. Tentei explicar, mas disseram que poderia fazer o trabalho em home office. Disse que era nova na função e que não dava para desobedecer. Aí os policiais disseram que a partir de agora, dependendo da situação, eles podem dar ordem de prisão. E seguiram”, reclama.

O coronel esclarece, no entanto, que as ações no momento têm a função de conscientizar, não prender cidadãos. “Uma ação dessas (dos PMs) pode ser motivo para reorientação.”Nesta quarta, o governador João Doria (PSDB) afirmou, em entrevista coletiva, que só deve definir qualquer mudança na atual quarentena no dia 22, que é quando vence o decreto que estabeleceu a quarentena atual.Vigilância Sanitária atuará no restante do Estado. As ações de fiscalização da Vigilância Sanitária apoiadas pela PM deverão ser ampliadas para o restante do Estado nos próximos dias. Segundo a diretora do Centro de Vigilância Sanitária, Cristina Megid, agentes das maiores cidades do interior estão recebendo equipamentos, como máscaras, para ir a campo.

“A ação é educativa”, diz a médica. A proposta dos agentes é mostrar para os comerciantes que a manutenção do comércio fechado é uma medida de saúde que protege não só o dono do local, como sua família e amigos. As lojas fechadas nesta quarta eram bombonieres e lojas de lingerie, entre outras. “É mostrar qual é a importância em cumprir a determinação”, afirmou.

Segundo Cristina, o apoio da PM é importante porque “a situação é crítica”, uma vez que comerciantes podem estar sem renda e resistirem a fechar as portas, e há preocupação com a segurança dos fiscais. Ela destaca, entretanto, que até agora não houve incidentes.”A gente não quer uma ação repressiva. Quer que a população paulista entenda que, agora, todo mundo precisa do apoio de todo mundo.”

Texto: Bruno Ribeiro e João Prata
Portal Terra Notícias